APEO concorda com a OE sobre a necessidade de uma aposta emergente no trabalho autónomo e de qualidade dos EESMO para a promoção da qualidade dos cuidados materno-fetais em Portugal

 

É com muita convicção que a Associação Portuguesa dos Enfermeiros Obstetras se junta à Ordem dos Enfermeiros no apelo ao Ministério da Saúde para a implementação de unidades independentes de assistência ao parto normal, dinamizadas e geridas por Enfermeiros Especialistas em Enfermagem de Saúde Materna e Obstétrica/Parteiras, sejam elas Centros de Parto Normal, centrados essencialmente nos cuidados intraparto, ou Unidades de Cuidados na Maternidade, integrando não apenas os cuidados intraparto, mas também os cuidados pré e pós parto, num modelo de continuidade, salutogénico, humanista e integrativo.


Estamos disponíveis para apoiar estas iniciativas e acreditamos que este é um caminho seguro e custo-efetivo para a melhoria da acessibilidade e qualidade dos cuidados de saúde materno-fetais em Portugal.


SEGUIMOS JUNTOS, POR ESTA MISSÃO!